Veja todas as postagens do Neto
PET News #33 – Dr. Desperdício!

Recentemente meu pai foi hospitalizado. Fui seu acompanhante durante oito dias em um hospital aqui de Brasília. Meu pai está bem, se recuperando em casa! Nesse período de internação, pude observar a rotina do lugar: a área de nutrição, especialmente.

Muitos reclamam da comida de hospitais. Espero não assustar ninguém com meu relato, mas eu gostei da comida. Foram cinco refeições diárias: café, almoço, lanche, jantar e ceia; servidas em recipientes plásticos e outros descartáveis. Infelizmente, o desperdício é muito evidente!

Meu pai me chamou a atenção para os quatro caminhões que recolhem o lixo diariamente. É muito lixo!!! Nem todos se preocupam com isso porque ele – o lixo – “some” como em um passe de mágica e vai para um lugar que pouco interessa, então, é bem conveniente, certo?! Mas em meio à crise mundial de escassez de alimentos e a quantidade de lixo produzida pela humanidade, não há como não ficar assustado com o caso.

No hospital, os alimentos não consumidos, mesmo os intactos, são descartados imediatamente; e solicitar que sejam retirados do cardápio não é uma opção, pois as sugestões da Nutricionista devem ser seguidas à risca pela equipe da cozinha. Na foto abaixo, parte da quantidade de alimento que juntamos. E isso apenas no quarto do meu pai.

Utensílios para as refeições do paciente e acompanhante. Mesmo levando talheres de casa continuamos recebendo diariamente o kit de plástico:

A política do hospital parece funcionar muito bem. Tudo é organizado e profissional. Um exemplo de limpeza, funcionários educados, prestativos, sorridentes, sempre atentos à recuperação dos pacientes; e a comida é excelente! Mas como em qualquer hospital, tudo precisa ser descartado por motivos óbvios. Esse texto não é uma crítica, mas um alerta. A comodidade e a praticidade cada vez mais comuns em nossas vidas estão nos levando a um nível muito perigoso. Consumimos cada vez mais, nos preocupando pouco com o futuro. Descartamos facilmente o que pode ser reutilizado e esquecemos que o alimento fácil para nós, é difícil para outros.

Acredito que a principal mudança está dentro de nós e, se acionada, podemos contribuir para encontrar novas soluções.

Um abração a todos e até a próxima!